Sábado, 21 de Julho de 2007

Para lá dos sonhos

.Ejaculo a verdade dentro de ti

Liberto-a gotejante

Deixa-a fluir pelas tuas entranhas

Fecundar a dúvida que há em ti

 

Desflora o teu corpo

Na mentira do meu

 

Fita-me o olhar

Adormece nele

Vê o que existe para lá dos meus sonhos

[Só tu sabes o que existe para lá dos sonhos].


publicado por Buraco Negro às 19:33
link do post | comentar
Segunda-feira, 9 de Julho de 2007

X 6 X

.Beija-me com teus lábios
Adoçados pela morte
Despe-te da tua imortalidade
Apresenta-te na tua cadavérica condição

Olha-me na morte
Sorri-me uma última vez
Mostra-me os restos da criança que te escorrem pelo rosto

Abraça-me pela noite
Agarra-me a alma e sacode a dor
Que a atormenta

Invade-me da tua seiva escarlate
Do teu mundo secreto
Segreda-me ao ouvido
Os segredos da morte
O mistério do amor

Silencia a dor
Afiando-a no meu corpo

Fim consumado no teu corpo
Disparado do ínfimo de mim

Dorme nas cinzas de mim.

publicado por Buraco Negro às 23:27
link do post | comentar
Quarta-feira, 6 de Junho de 2007

Diálogos de luz e escuridão

Dedicado a T.O.R.:

.Farrapos de Lua
Escorreitos pelas curvas de teu corpo

Na tua nudez nocturna
Há um clamor do meu sangue pelo teu

Diálogos de luz e escuridão
De zeros e uns

Nos ângulos da alma
Na faceta íntima de ti
Encontro a revelação, o desejo, a morte ritual
Liberto em ti pedaços gotejantes de mim
Que te invadem
[contornam]
Até acabarem por fazer parte de ti

Quando me olhas
De dentro de mim
E vês para lá da penumbra
? Sorris

Quando me recebes no teu receptáculo lunar
? Sentes-te curada pelo meu sangue

Quando adormeces na escuridão dos meus braços
Ao bater do meu peito
? És feliz

publicado por Buraco Negro às 00:26
link do post | comentar
Sexta-feira, 2 de Fevereiro de 2007

Le moment de la luna

.Ciclo
Fim indeterminado no determinismo do princípio
Transformação interna

Sangue que se renova
A cada ciclo teu
Ciclo de morte e nascimento
Que acaba na escuridão em que começa

Le moment de la luna
Mistério de teu corpo
Revelado ante mim
Minha Istar que se rege pela lei lunar

Quando a vida graça no céu
Criemos o amor numa recriação hermética
Num ritual irregular
E angular segundo a geometria lunar

Recriação minha em teu altar
Em teu receptáculo
Morro para depois renascer
Assim queira o ciclo lunar.




música: "Lunar Force" dos Enslaved

publicado por Buraco Negro às 00:03
link do post | comentar
Quarta-feira, 31 de Janeiro de 2007

6O1

.Despes a roupas
Que escondem a tua pele macia de serpente
Que escondem a profundeza do inferno
A fornalha de fluidos voláteis

A tua língua abraça a minha
Com o seu agrafo de aço inox
A tua saliva invade a minha
Dá-lhe uma tonalidade venenosa

Teu corpo
Extensão de um culto pagão
Onde ritualmente sem ritual
Me transmuto num animal.

publicado por Buraco Negro às 02:05
link do post | comentar

o Buraco


. 17 seguidores

Abril 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

posts recentes

Para lá dos sonhos

X 6 X

Diálogos de luz e escurid...

Le moment de la luna

6O1

Mulher-Besta

tags

todas as tags