Quarta-feira, 23 de Março de 2016

N

.Outrora

N

Escorrem os dias

Desde que perdi o Norte

Corre um rio dentro de mim

Revolto e crispado

Onde perduram diluídos numa massa infinda

Os restos de mim

N

Recordo-me

Ergo pensamentos

Que se esvanecem dentro de mim

Luto, ergo-me e agito-me

Rio desgovernado que jaz na foz

N

Sento-me

Penso e recordo

A pureza translúcida dos olhos da minha Mãe.


publicado por Buraco Negro às 20:44
link do post | comentar

o Buraco


. 17 seguidores

Julho 2022

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

posts recentes

Carne

Depeche Mode - In Your Ro...

Phantom Vision - Far Enou...

Paradise Lost - Faith Div...

Mater

Type O Negative - Dead Ag...

Lycia - Pray

E

W

Negură Bunget - Dacia hip...

tags

todas as tags