Quarta-feira, 19 de Maio de 2010

Espinhos

.Na lonjura de uma folha em branco

Repousam os restos últimos de ti

Dos beijos que trocámos em silencio

Resta o sal que dá vida às feridas

 

Flor que cresce

Condimentada pela sanidade

De que decidi abdicar

 

Loucura

Pólen  doce em que gosto de me refastelar

 

Abro as gavetas

Recolho os espinhos

Da coroa com que me decidi coroar.


publicado por Buraco Negro às 02:47
link do post | comentar

o Buraco


. 17 seguidores

Dezembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

posts recentes

Depeche Mode - In Your Ro...

Phantom Vision - Far Enou...

Paradise Lost - Faith Div...

Mater

Type O Negative - Dead Ag...

Lycia - Pray

E

W

Negură Bunget - Dacia hip...

Process of Guilt - Blindf...

tags

todas as tags