Domingo, 27 de Abril de 2008

No sangue que morre até ao coração

.Nos ventos lentos

Que arrepiam a cidade

Viajam os pedaços últimos de ti

Perdidos e achados para sempre


No fim de tarde que se afasta

Respiro até ao fim partículas escassas de ti

Arrastando a tua morte até ao fundo da minha


Adivinho-te pelas estrelas

Imagino um sorriso, um abraço

Tão verdadeiros como a mentira de não os ter


Procuro cicatrizes profundas

Onde possa escrever a minha dor

Germinando-a no sangue que morre até ao coração.


publicado por Buraco Negro às 17:52
link do post | comentar

o Buraco


. 17 seguidores

Dezembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

posts recentes

Depeche Mode - In Your Ro...

Phantom Vision - Far Enou...

Paradise Lost - Faith Div...

Mater

Type O Negative - Dead Ag...

Lycia - Pray

E

W

Negură Bunget - Dacia hip...

Process of Guilt - Blindf...

tags

todas as tags