Quinta-feira, 14 de Fevereiro de 2008

.Espelho
Uma mentira servida numa bandeja de prata
Alinhada com a vertical
[pergunto-me se a verdadeira ou a aparente]

Uma lâmina acorda-me a cara
Arranca o sangue do seu sono submerso
Deixando-o, no entanto, imerso sob os muros íngremes que são a pele

Ainda me dói a lucidez da luz
Principalmente, a que é esculpida pelo espelho
Renegada, disforme e suja de mim

Olhos engolidos por duas insones sombras
De um negro húmido e cristalino
Escorrem-me rios da alma
Levando-me a cada  evaporação

Perfumo a cara com um sorriso
Invoco aos músculos trémulos alguma acção
A suficiente para num sorriso esconder a solidão.

publicado por Buraco Negro às 21:07
link do post | comentar

o Buraco


. 17 seguidores

Julho 2022

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

posts recentes

Carne

Depeche Mode - In Your Ro...

Phantom Vision - Far Enou...

Paradise Lost - Faith Div...

Mater

Type O Negative - Dead Ag...

Lycia - Pray

E

W

Negură Bunget - Dacia hip...

tags

todas as tags