Quarta-feira, 19 de Setembro de 2007

Para lá do luar

     Atravesso a morte, um campo de diurno verde povoado, quando a noite é rainha, de visões horripilantes plenas de nados mortos. Não corro, sei que seria inútil qualquer tentativa de evitar pisar os ossos desprovidos de carne que estão semeados pelo chão. Percorro-me, em tentativas aflitivas de esconder à alma aquilo que a turva a uma suprema consternação. Adio-me por entre a bruma fétida e o bafio bolorento dos cadáveres, que encontro mais à frente: informes desprovidos de ossos e carentes de estrutura. Meros retalhos de carne perecida às garras do tempo. Tempo que invento, que recordo e renovo a cada passo. Cronos é generoso na sua dádiva, cortês na sua maldição…

     Uma estranha formação no céu, uma espécie de arco-íris feito de tons de cinzento e de um negro filho do breu, prenuncia a luz. Precipitam-se restos de noite, sob a forma de um condensado frio que se entranha nas ossadas e nos recantos da pele cobrindo-as de um verde que esmorece até se tornar um preto de pleno carácter. A luz existe, a noite persiste para lá do luar.


publicado por Buraco Negro às 23:12
link do post | comentar

o Buraco


. 17 seguidores

Julho 2022

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

posts recentes

Carne

Depeche Mode - In Your Ro...

Phantom Vision - Far Enou...

Paradise Lost - Faith Div...

Mater

Type O Negative - Dead Ag...

Lycia - Pray

E

W

Negură Bunget - Dacia hip...

tags

todas as tags