Terça-feira, 27 de Março de 2012

# 3

.Tudo para te dizer
Oceanos infindos para galgar
Para talvez [por fim] te encontrar
Corpo inanimado,
Sopro sobre ti o pó das estrelas
criatura de luz

Frio invernal
que teima em apagar as brasas que te aquecem o coração
Cegueira branca
que é Dezembro temperado com predestinação

Algo palpita,
Algo faz estremecer
o meu corpo de assombração
Flores doces vêm-me à memória

Chispas fugazes serpenteiam pela tua pele
num rio de vida que que acabará [como tudo] por cessar

Amarga é a candura com que [sempre] te irei recordar.

publicado por Buraco Negro às 23:51
link do post | comentar

o Buraco


. 17 seguidores

Lua

CURRENT MOON

Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

posts recentes

E

W

Negură Bunget - Dacia hip...

Process of Guilt - Blindf...

Editors - The Weight of t...

S

Clan of Xymox - Jasmine a...

Star Industry - Nineties

N

Shape of Despair - Monoto...

tags

todas as tags

visitas ao buraco

Website counter